ENTRE... LIVROS

Dezembro 14 2012

Boas Férias

Foto: phasmid
 

 Feliz Natal

 


 

Silent Night, Holy Night
publicado por Biblioteca às 10:19

Dezembro 12 2012

O Natal da escola

O Natal vai à escola
com roupas de fantasia;

num bolso leva os sonhos
e no outro a poesia.

O Natal pousa nos livros,
no quadro e nas carteiras
e deixa um pó de estrelas
no fundo das algibeiras.

E até o telemóvel,
que na aula não deve entrar,
quando toca de repente
é o Natal que vem lembrar.

O Natal entra na escola,
na mochila e nos cadernos
e segreda ao ouvido
os votos que são eternos.

O Natal é o recreio
que a campainha anuncia;  
todos celebram contentes
O sentido desse dia.
(…)      

 José Jorge LetriaO Livro do Natal

 

 

Natal africano

(O poeta lembra-nos que na cultura africana não há a tradição de Natal)

Não há pinheiros nem há neve,

Nada do que é convencional,

Nada daquilo que se escreve

Ou que se diz… Mas é Natal!

 

Que ar abafado! A chuva banha

A terra, morna e vertical.

Plantas da flora mais estranha,

Aves da fauna tropical.

 

Nem luzes, nem cores, nem lembranças

Da hora única e imortal.

Somente o riso das crianças

Que em toda a parte é sempre igual.

 

Não há pastores nem ovelhas,

Nada do que é tradicional.

As orações, porém, são velhas

E a noite é Noite de Natal.

 

In “Obra Poética” de João Cabral do Nascimento, Edições Asa

 

 

Natal

 

Acontecia. No vento. Na chuva. Acontecia.
Era gente a correr pela música acima.
Uma onda uma festa. Palavras a saltar.

Eram carpas ou mãos. Um soluço uma rima.
Guitarras guitarras. Ou talvez mar.
E acontecia. No vento. Na chuva. Acontecia.

Na tua boca. No teu rosto. No teu corpo acontecia.
No teu ritmo nos teus ritos.
No teu sono nos teus gestos. (Liturgia liturgia).
Nos teus gritos. Nos teus olhos quase aflitos.
E nos silêncios infinitos. Na tua noite e no teu dia.
No teu sol acontecia.

Era um sopro. Era um salmo. (Nostalgia nostalgia).
Todo o tempo num só tempo: andamento
de poesia. Era um susto. Ou sobressalto. E acontecia.
Na cidade lavada pela chuva. Em cada curva
acontecia. E em cada acaso. Como um pouco de água turva
na cidade agitada pelo vento.

Natal Natal (diziam). E acontecia.
Como se fosse na palavra a rosa brava
acontecia. E era Dezembro que floria.
Era um vulcão. E no teu corpo a flor e a lava.
E era na lava a rosa e a palavra.
Todo o tempo num só tempo: nascimento de poesia.

                                                                                                                                   Poemas de Natal  - Manuel Alegre 

 

Ouve aqui:

publicado por Biblioteca às 18:26

Dezembro 11 2012
 
Carta ao Pai Natal por  Boss AC in “Ritmo, Amor e Palavras – R.A.P” – 2005
  Ouve aqui:

publicado por Biblioteca às 16:43

Dezembro 03 2012
 

Para assinalar os 150 anos da publicação do “ Amor de Perdição” de Camilo Castelo Branco, propomos para leitura do mês de dezembro esta obra emblemática do Romantismo português.

Podes lê-la aqui em formato digital. 

 

Para os mais novos está disponível na nossa biblioteca, uma versão adaptada por Pedro Teixeira Neves.

Sinopse

O Amor de Perdição conta-nos a história de Simão Botelho e Teresa de Albuquerque, dois jovens que pertencem a famílias distintas de Viseu. Entre ambos nasce um amor que são obrigados a calar, pois as suas famílias são rivais e tudo farão para os separar. Mas os amantes acabarão por mostrar através do mais dramático dos atos, que nada, nunca, destruirá o sentimento que os une.

A versão adaptada para os mais novos por Pedro Teixeira Neves, com ilustrações de Helena Simas começa assim:

"Vou contar-vos uma história muito bonita. É uma história de amor, de um amor muito, muito grande, tão grande que nunca morreu e a maior prova disso é que acabou em livro, este que agora vocês estão a ler e do qual decerto muito vão gostar. Isto, apesar de também ser um bocadinho triste, mas qual é a história de amor que, como a vida, não tem coisas boas e coisas más?"

 

O Autor

Camilo Castelo Branco, primeiro visconde de Correia Botelho, nasceu em Lisboa a 16 de Março de 1825 e morreu em São Miguel de Seide a 1 de Junho de 1890. Romancista, cronista, crítico, dramaturgo, historiador, poeta, tradutor, é um dos expoentes máximos do Romantismo em Portugal. Teve uma vida atribulada, passional e impulsiva; uma vida tipicamente romântica, que serviu de inspiração a alguns dos seus livros. Foi o primeiro escritor de língua portuguesa a viver exclusivamente da sua produção literária, que se traduziu em mais de duzentos e sessenta escritos. Morreu pela sua própria mão quando, em desespero devido a uma cegueira progressiva, desfere um fatal tiro de revólver na têmpora direita.

 

Obras
Mistérios de Lisboa (1854), Duas épocas na vida (1854), O livro negro do padre Dinis (1855), Vingança (1858), Carlota Ângela (1858), A morta (1860), O romance de um homem rico (1861), Amor de perdição (1862), Amor de salvação (1864), O olho de vidro (1866), O retrato de Ricardina (1868), A mulher fatal (1870), Doze casamentos felizes (1861), Estrelas funestas (1861), Estrelas propícias (1863), Coração, cabeça e estômago (1862).

 

PARA SABER MAIS

A Direção-Geral da Educação acaba de criar  um site (http://area.dge.mec.pt/camilo_castelo_branco/index.html) onde está a ser lançada uma fotonovela digital para assinalar os 150 anos da edição da obra. Trata-se de uma fotonovela dos tempos modernos que poderá ser acedida por alunos e professores.

publicado por Biblioteca às 09:50

Dezembro 01 2012

O dia 1 de dezembro é ainda, neste ano, feriado em Portugal.

Neste dia comemora-se o Dia da Restauração da Independência.

 

Queres saber porquê?

 Vê aqui .

 

Para ouvires a história deste 1º rei da 4ª dinastia clica na imagem.

 

 

Bom feriado!

publicado por Biblioteca às 14:08

Blog da Biblioteca da Escola Básica e Secundária D.João V
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Recursos Educativos Digitais
DIIGO
pesquisar
 
Professora bibliotecária
Joana Generoso
Professora responsável pelo blog
Joana Generoso
subscrever feeds