ENTRE... LIVROS

Dezembro 10 2014

A Pequena Vendedora de Fósforos

Um conto emocionante escrito por Hans Christian Andersen

 

Numa noite fria de Ano Novo, uma pequenina vendedora de fósforos vagueia sozinha pelas ruas, tentando arranjar algum dinheiro para comer. Sem conseguir vender nada, não se atreve a voltar para casa receando o castigo do pai. Resolve abrigar-se entre duas casas e aproveita os últimos fósforos para se aquecer. Cada fósforo que acende traz-lhe visões maravilhosas que a fazem muito feliz...

 

 Se gostastes podes vir ler o conto à biblioteca.

publicado por Biblioteca às 23:52

Dezembro 09 2014

árvore de natal.jpg

A nossa biblioteca conta com uma linda árvore de natal (ou árvore do conhecimento) montada com livros do nosso arquivo.

Aqui fica um bonito conto de natal.

 

O Pinheiro Descontente

No meio da floresta, vivia um pinheirinho muito envergonhado. Queixava-se ele de que tinha umas folhas insignificantes, tão magras e aguçadas, que as outras árvores, por troça, diziam:

- Tu não tens folhas. Tens agulhas, em vez de folhas.

Isso custava-lhe. Magoava-o. Entristecia-o.

A fada Flora, para alegrar o pinheirinho, vestiu-o, uma vez, de oiro e de prata.

Estava lindo. Sentiu-se outro. Perdeu as mágoas.

Mas um ladrão, que se tinha escondido na floresta, ao ver tal fortuna em ouro e prata, roubou-lhe as folhas todas.

Ficou o pinheirinho num grande desespero. O tronco e os ramos tiritavam, despidos de folhas.

Então, a fada Flora voltou a condoer-se do pinheiro triste e nu.

Fez uma nova mágica e o pinheirinho, no dia seguinte, acordou coberto de agulhas de vidro tilintante.

Assim, sim! Nada podia acontecer-lhe de mal, porque o vidro não atrai cobiça.

Só não contava com o vento, que veio a correr, para admirar de perto tal maravilha.

Desastrado como ele é sempre, abanou a pequenina árvore tanto que as folhas de vidro bateram umas nas outras. Caíram no chão e partiram-se.

Lamentou-se o pinheirinho:

- Afinal, mais me valiam as minhas antigas folhas verdes e aguçadas.

A fada Flora, cheia de paciência, tornou a dar-lhe o fato antigo de árvore verdadeira.

Talvez ela já tivesse calculado que assim voltaria a acontecer. Talvez ela tivesse feito tudo de propósito...

Fosse como fosse, o pinheirinho estava, finalmente, feliz.

De longe em longe, muito de longe em longe, não disfarça um curto suspiro de saudade:

- Que bem que eu ficava, vestido de ouro e prata. E que bonito, todo coberto de vidro.

Mas é um pensamento de raspão e passa-lhe depressa.

No entanto, a lenda conta que alguém, adivinhando os pensamentos do pinheirinho, resolveu enfeitá-lo com lindas bolas de vidro de todas as cores e fios de prata e de ouro a fingir.

Assim nasceu o pinheiro de Natal.

                                                                                                   António Torrado

publicado por Biblioteca às 20:07

Blog da Biblioteca da Escola Secundária c/ 2º e 3º Ciclos D.João V
Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
24
25

26
27
28
29
30
31


Recursos Educativos Digitais
DIIGO
pesquisar
 
Professora bibliotecária
Joana Generoso
Professora responsável pelo blog
Joana Generoso